Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘caçadores de mentes’

 por Lígia Zampar

  

A Rainha do Crime

A Rainha do Crime

Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;
Um deles se engasgou e então ficaram nove.
Nove negrinhos sem dormir: não é biscoito!
Um deles cai no sono, e então ficaram oito.
Oito negrinhos vão a Devon de charrete;
Um não quis mais voltar, e então ficaram sete.
Sete negrinhos vão rachar lenha, mas eis
Que um deles se corta, e então ficaram seis.
Seis negrinhos de uma colméia fazem brinco;
A um pica uma abelha, e então ficaram cinco.
Cinco negrinhos no foro, a tomar os ares;
Um ali foi julgado, e então ficaram dois pares.
Quatro negrinhos no mar; a um tragou de vez.
O arenque defumado, e então ficaram três.
Três negrinhos passeando no Zoo. E depois?
O urso abraçou um, e então ficaram dois.
Dois negrinhos brincando ao sol, sem medo algum;
Um deles se queimou, e então ficou só um.
Um negrinho aqui está a sós, apenas um;
Ele então se enforcou, e não ficou nenhum.

Dez pessoas são convidadas pela mesma pessoa a passar um fim de semana em uma ilha praticamente deserta. Nenhuma dessas pessoas sabe quem as convidou. No quarto de cada um tem um poema que é uma antiga canção infantil, contando a história de dez negrinhos.
Na primeira noite, durante o jantar, uma voz ecoa na casa acusando cada pessoa de ter cometido um crime diferente. Na mesa tem dez estátuas , mas um deles some quando um dos convidados morre misteriosamente.
As mortes vão ocorrendo de acordo com o poema e os negrinhos também vão sumindo. Ninguém na casa confia no próximo. Cada um faz sua própria comida com medo de um possível envenenamento e passam as horas espreitando uns aos outros.
Contar como termina essa história seria uma lástima pra você, meu caro leitor. (mais…)

Read Full Post »