Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘roupas’

Por Daniela Brisola

Pode ser florida, geográfica, de oncinha, qualquer jeito está valendo. As saias estampandas estão com tudo já faz um bom tempinho.
Começou com a onda das saias floridas lá no comecinho do ano, depois as estampas foram se diversificando e ganhando adeptas.
Confira abaixo uma seleção de saias estampadas:

O desfile de Marc by Marc Jacobs – Primavera 2010 veio cheio de saias estampadinhas.

Quer saber como usar?!

As famosas que já aderiram:

Seja misturando estampas, com blusinha lisa, no verão, no inverno, escolha a sua e use já.

Read Full Post »

por Daniela Brisola

Fashion Rio

Terminou na última terça-feira (01/06) a edição RioVerão 2011 do Fashion . Repleta de desfiles lindos, a semana de moda mostrou o que será tendência na próxima estação. Confira:

  • COLORIDO NEUTRO

As grifes trouxeram para as passarelas muitas cores, mas ao contrário do verão passado agora elas não são mais neon. Destaque para os tons rosados.

  • ROMANTISMO

As cores neutras puxaram uma onda de romantismo, com muitas flores e laços.

(mais…)

Read Full Post »

por Vitor Oshiro

Realmente a blogosfera vem sendo uma boa plataforma para expor as ideias. Apesar de hoje não ser dia de “Recomendamos”, trago a dica de um blog sobre moda que, como o próprio nome já diz, trata das utilidades e futilidades do tema.

O Fútil & Útil é feito pela estudante do Terceiro ano de Jornalismo da UEL, Daniela Brisola, e traz informações sobre o mundo da moda, responde perguntas de internautas sobre quais tipos de roupas ideais para certas ocasiões, notícias sobre estilistas famosos e muito mais.

O assunto pode parecer meio restrito, principalmente ao público masculino. Porém, a autora compensa com uma linguagem agradável e até mesmo bem humorada que agradaria gregos e troianos. Ou melhor, Dicésars e Dourados.

É conferir e opinar!

http://futilutil.wordpress.com/

Read Full Post »

Ele vivia resguardado em seu quarto escuro. O quarto era pequeno, quente e solitário. Pouco mais de um metro separava o chão do teto. Limpo? De jeito nenhum. Quem passasse mais de três horas naquele lugar se engasgaria com a poeira.

Ele nunca achou que seria conhecido. Sequer achou que sairia daquele pequeno cubículo em que vivia. Sua vida se resumia a pequenos feixes de luz que entravam vez ou outra e o faziam sentir que existia mais alguém no mundo.

Desolado, ficou por dias e dias quieto, triste e, por isso, incapaz de causar confusão com o menor dos seres vivos. A solidão e a apatia que sentia não combinavam em nada com sua aparência jovial e límpida.

Lembrava de quando foi morar naquele pequeno quarto. Achava que tudo seria diferente. Que andaria pelas ruas e sentiria o vento moldando sua face. Que se exibiria com o objetivo de quando nasceu: ser belo e agradar a todos.

Entediado da mesmice em que vivia, um dia resolveu sair. Tomou coragem e rompeu a estática que comandava sua vida. Foi todo perfumado e por onde andava recebia olhares. O isolamento, a timidez, a apatia foram todos embora. Restaram agora olhares enfeitiçados, olhares atiçados e elogios imediatos.

Tudo parecia perfeito como ele sempre quis. Mas, a perfeição não duraria muito tempo.

Logo, os elogios se excederam. De elogios passaram a repreensões.

Logo, os olhares se excederam. De olhares passaram a anseios desenfreados.

Logo, o feitiço se desfez. De alegria passou a novamente uma timidez infindável.

Novamente ele se escondeu. Não em um quarto escuro, mas, sob uma capa branca. Novamente a luz do sol passou a ser apenas uma lembrança. Novamente viveria em um quarto fechado, porém, agora, a vergonha fazia parte do seu quadro de sentimentos.

Depois, algumas vezes apareceu em entrevistas em programas de TV’s que queriam aproveitar seu caso para alavancar uns dois pontinhos de audiência. Mas, logo, foi esquecido no quarto escuro de novo. Seus 15 minutos de fama passaram e e que ele pensava de tudo isso? Não, ele não pensava que o pessoal havia exagerado e o tratado de forma preconceituosa, nem tampouco que eles haviam agido certo. A única coisa que passava pela sua cabeça: “como é sofrida esta vida de vestido rosa e curto, vio…!”

Read Full Post »