Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘tom cruise’

Por Beto Carlomagno

Encontro Explosivo (Knight and Day)

James Mangold é um cara versátil.  Ele surgiu para o grande público com o policial Cop Land, seu segundo filme, lançado em 1997 com Sylvester Stallone, Harvey Keitel, Ray Liotta e Robert De Niro. Seu filme seguinte foi Garota Interrompida, drama de 1999 que rendeu o Oscar de melhor atriz coadjuvante para Angelina Jolie, e que contava ainda com Winona Ryder, Jared Leto e Brittany Murphy no elenco. Depois veio o romance açucarado Kate & Leopold, estrelado por Hugh Jackman e Meg Ryan, em 2001, seguido pelo excelente suspense Identidade, de 2003, estrelado por John Cusack, Amanda Peet e Ray Liota. Em 2005 ele provou a que veio com o ótimo e premiado Walk The Line (traduzido toscamente no Brasil como Johnny & June). O filme que contava a vida da lenda da música, Johnny Cash, interpretado brilhantemente por Joaquin Phoenix, foi seu maior êxito criativo. Em 2007, flertou com o gênero faroeste com o elogiado Os Indomáveis (3:10 to Yuma, título original), estrelado por Christian Bale e Russel Crowe.  E agora, em 2010, James Mangold surge com o que podemos chamar de seu primeiro blockbuster, Encontro Explosivo, que não chega a ser a melhor obra do diretor, mas é bem divertida.

O filme na verdade é mais uma tentativa de seus astros, Tom Cruise e Cameron Diaz, de voltarem ao primeiro lugar nas bilheterias, o que também não deu certo. O filme estreou nos EUA em terceiro lugar, com uma arrecadação da “apenas” pouco mais de 20 milhões de dólares, algo considerado baixíssimo para um filme com dois astros desse porte como protagonistas. Depois de esclarecer certos pontos, vamos ao filme. Encontro Explosivo conta a história de um agente da CIA, Roy Miller (Cruise) que está sendo perseguido pela própria agência. No aeroporto se encontra com June Havens (Diaz). Ele a escolhe como meio de passar algo que ele está protegendo pela segurança do aeroporto. Nesse meio tempo, entre trombos, aviões caindo e explosões, June acaba se apaixonando por Roy, o que a torna também um alvo. Com isso, Roy é obrigado a levá-la em sua viagem pelo mundo enquanto foge da CIA e tenta proteger os dois.

Encontro Explosivo é mais um exemplar da comédia de ação envolvendo casais. Só nesse ano, além desse, dois já foram lançados nos EUA com sinopses parecidas. O Caçador de Recompensas (já lançado aqui no Brasil também) e Killers (que tem lançamento marcado para o fim de agosto por aqui). Não vi Killers, mas posso dizer que certamente Encontro Explosivo é mais divertido que O Caçador de Recompensas, por contar com um diretor mais talentoso e ter protagonistas mais carismáticos. Tom Cruise está impagável, e até um pouco canastrão, como o agente da CIA Roy Miller. Ele surge em um mix de charme e loucura que ajuda no desenvolvimento da história e torna suas atitudes mais críveis. Já Cameron Diaz continua como a garotona que é divertida, um pouco largada e ainda sentimental e querida.

O filme de Mangold não traz nada de novo ao gênero, não deve revolucionar nada e nem ser uma obra que futuramente se tornará obrigatória, mas cumpre seu papel de entreter enquanto você está dentro da sala de cinema. O diretor, mesmo um pouco limitado diante de um roteiro com alguns problemas, entrega algumas sacadas interessantes durante o filme. A cena do avião, em que Cruise acaba com os bandidos, enquanto Diaz está no banheiro se arrumando para ele, é muito boa, cheia de sacadas divertidas e bem coreografada. Outra que se destaca é a cena em que Diaz é dopada por Cruise para que não o atrapalhe. Foi uma ótima escolha colocar o espectador na visão da personagem de Cameron e fazer com que a passagem de cenas fosse daquela forma.

Se o filme peca seriamente em alguma coisa é na parte dos efeitos especiais. Para um projeto como esse, espera-se apenas o melhor, mas não é o que acontece. Algumas cenas realmente parecem mal feitas, principalmente quando são as que envolvem close nos protagonistas e o uso do fundo verde. Tudo parece bem fake. Mas são tomadas rápidas, que não devem atrapalhar o desenvolvimento do filme. Outro ponto que talvez incomode o espectador é a invencibilidade do personagem de Cruise. Nada parece acontecer com ele, o que torna sua ligação com o personagem um pouco fraca. Você, em certo momento do filme, para de se importar com ele, já que está claro que nada vai acontecer.

*Beto Carlomagno é estudante do terceiro ano de Jornalismo da UEL. Além da coluna “Sessão de Domingo” ele assina o blog http://behindthescenes-takes.blogspot.com/

Read Full Post »

por Vitor Oshiro

Do Portal IG

Para quem não sabe, Suri é filha do Tom Cruise...

Que coisa feia, heim… E você aí preocupado com as vítimas das enchentes de São Paulo… Tenha a paciência, né…

Read Full Post »